quarta-feira, maio 10, 2006

O voto e a mudança na ordem político/econômica brasileira



Política
Agora que o governo petista vai chegando ao final, chegou o momento de tirarmos nossas conclusões: ora, ficou claro que o voto inviabiliza qualquer projeto sincero de mudança no sistema político/econômico pátrio, por uma razão muito simples, o Brasil como país continental que é, exige um esforço sobre humano do candidato que pretenda chegar à direção do Poder Executivo de nosso Estado, sendo preciso arrecadar quantias vultosas para fazer frente aos gastos de campanha. Não por outro motivo, ao indíviduo que pretenda arrecadar tamanha quantia, restam algumas hipóteses, quais sejam: arrecadar dinheiro implorando ajuda para a burguesia, ou seja, neste caso, qualquer ruptura com o modelo neo-liberal fica inviabilizada. Esta foi a alternativa abraçada pelo PT de Lula; a outra possibilidade é desviar dinheiro público, esta, supostamente foi a via utilizada pelo pré-candidato do PMDB, Garotinho, no entanto, ao seguir este caminho, o candidato torna-se, igualmente, refém de seus comparsas.
Com isso, resta evidenciado, que não existe meio de mudar o país apostando em eleições, pois como foi demonstrado, esta não permite mexer na estrutura básica do Estado burguês, que na maioria das vezes visa seus próprios interesses relegando ao segundo, ou até terceiro plano a classe menos favorecida. Não restam dúvidas que não é possível mudar o país por intermédio do voto.
Para mudar o rumo de nosso país, e colocar o futuro da nação nos trilhos, será necessária uma ruptura total e irrestrita com a ordem anterior, constituindo uma nova ordem, estabelecendo um novo poder, isto é, o Brasil reclama urgentemente uma revolução socialista.
Mas, uma revolução socialista pede a participação popular, ainda que em nosso país, esta possa ser mínima.

Um comentário:

will.i.am disse...

vc se considera um revolucionário né. revolucionários de palavras pode-se encontrar a cada esqina, vc n passa de mais um nA multidao.