quinta-feira, maio 18, 2006

Hipocrisia coletiva

Antes de entrar na faculdade de Direito, por um momento cheguei a pensar em fazer psicologia, para tentar entender o que passa pela cabeça do ser humano, se é que isso é possível - acho até que não. Eu fiz essa pequena introdução, para abordar aquele caso que todos já devem estar sabendo, (caso contrário clique aqui), da moça que foi filmada e fotografada transando com dois caras, nenhum dos participantes, seu namorado, e um deles casado.
Pois é, mas de qualquer forma, não fiz psicologia e hoje sou advogado, por isso tudo que disser aqui não passará de mera especulação, vou deixar de lado também a questão das fotos serem resultado de montagem ou não, já que isso diante do ocorrido pouco importa, ou seja, parto do princípio que o fato é verídico.
O que será que pela cabeça de um estudante de Direito, quando este deixa aflorar toda a sua hipocrisia ao ponto de pretender linchar outra pessoa, pelo fato de ter praticado um ato fora do convencional? Ao que me parece, todo o problema visto pelos estudantes homens, gira em torno da escolha dos parceiros pela moça, provavelmente todos consideram a si próprios, como uma opção melhor do que a feita por ela. E entre a estudantes mulheres, acredito que tudo se resolve na já famosa intriga feminina.
Ora, o que um pessoa maior de idade faz na sua vida privada não importa a ninguém, senão a ela própria, a privacidade é garantida pela Constituição, como cláusula pétrea, isto é, somente pode ser alterada com a promulgação de outra Constituição.
Qualquer pessoa até poderia não concordar com a atitude, mas isso não lhe daria o direito de querer linchá-la. Saber que isso ainda ocorre em pleno século XXI, já causaria estranheza em qualquer ambiente, o que dizer então quando o fato ocorre entre estudantes de Direito? Como agirão estes futuros advogados quando estiverem atuando profissionalmente?
Isto prova que não importa o grau de escolaridade do indivíduo, em muitas situações, a instrução vem do berço mesmo...

4 comentários:

Anônimo disse...

o q vc tá dizendo? vc como advogado defenderia um cara q estuprou a sua mãe

eder disse...

pow cara, logico q pode, espero q volte a visitar o cinema e pipoca.mais vezes.. abraços

Princesa Fiona disse...

Realmente é difícil lidar com a intolerancia.. e olha que não somos nem um país cheio de moral a quem uma cena desse tipo poderia chocar com facilidade e até mereceria pena de apedrejamento em outras culturas.

Não sei o que levou todas essas pessoas a agirem dessa forma... confesso que não acompanhei o caso de perto. Mas não posso vislumbrar outras razões para essa ignorancia coletiva além das já levantadas por vc.

Homens se acham parceiros mais apropriados, mais sexy e viril, mulheres se sentem despeitadas por alguém com tamanha coragem de realizar suas fantasias sexuais.

É isso.. no fim tudo não passa de um jogo de intrigas onde não perde tão somente a garota que teve (supostamente) sua intimidade devassada... perdemos todos nós!

Caco disse...

Estamos no Brasil.
Sempre me considerei muito brasileiro, nunca entendi muito quem vai ser cidadãod e 2ª classe em outros países. Mas ultimamente tenho me desapontado tanto com o país, com os absurdos que estão acotecendo. Mais do que nunca tenho vontade de estar distante desta ignorância coletiva.