sexta-feira, junho 22, 2007

Todos por Renan

Quando criança e tinha mais contato com minha avó, vez ou outra ouvia ela usar expressão: "do chão não passa!" Ela se utilizava desta frase como uma espécie mantra motivacional para melhorar o ânimo de quem passava por algum momento ruim, querendo dizer que aquela situação não iria ficar pior do que já estava. Me lembrei dessa passagem da minha infância lendo nos jornais os fatos que vão se desenvolvendo neste mais novo escândalo político, onde o personagem principal atende pelo nome de Renan Calheiros, presidente do Senado.


Enquanto o Brasil era colônia de Portugal, os brasileiros da época pensavam que o país poderia se tornar independente da Coroa portuguesa, pois pior do que estava não podia ficar...ficou; então entraram em cena os republicanos. Eles acreditavam que o Brasil república não poderia ficar mais bagunçada que o Brasil império...ficou; certo tempo depois, muitos apoiaram a tomada de poder pelos militares por entenderem que nada poderia tornar as coisas piores do que já estavam...veio o AI-5. Chegamos a era Lula, a grande massa de seus eleitores, não tinham quaisquer dúvidas de que se Lula não melhorasse o país, ao menos não teria como piorar, pois ao que tudo indicava, FHC já o deixara no fundo do poço, mais uma vez estávamos enganados. Lula manteve o país estagnado mesmo num cenário mundial bem favorável, diferente do enfrentado pelo presidente anterior, e ainda patina nos diversos escândalos de corrupção no qual pessoas muito próximas a ele, inclusive de sua família, parecem estar envolvidas.

Quando todos achavam que o país havia passado pelo pior momento em termos de corrupção, descobrimos, novamente, que estávamos errados, pois agora chegou a vez de mais um grande aliado do presidente da República, se sentir um calouro universitário e afundar na lama que toma conta da capital federal. A acusação é que ele teria contas pessoais pagas por um lobista da empreiteira Mendes Junior. Na ânsia de se livrar das acusações que tem sido alvo, Renan Calheiros foi ao plenário da casa, e sentado na cadeira de presidente, apresentou diversos documentos - numa cena muito bem "reconstituída" pela turma do Casseta & Planeta - convencendo a quase totalidade dos parlamentares federais de sua inocência; entretanto, os tais documentos que, supostamente, comprovariam sua inocência, após uma rasa análise, mostraram-se inconsistentes, talvez até fraudados, agravando sua situação em vez de aliviá-la. Na realidade, se Renan for condenado será graças ao seu próprio esforço porque se dependendesse de seus pares, sua absolvição estaria garantida. Digo isso porque o primeiro relator do processo instaurado no Conselho de Ética, senador Epitácio Cafeteira, enquanto sua saúde permitiu, bradou aos quatro cantos que não há provas consistentes contra Renan e que a representação nem deveria ter sido admitida. Ora, que piada! O nobre Senador se negou a colher as provas contra Renan Calheiros, e depois vem dizer que elas não existem?!

Diante de tudo isso, não me resta outra conclusão se não dizer que a situação política piora dia a dia, sem esquecer da postura do ex-relator e dos demais senadores que estão atuando mais como advogados de Calheiros do que como parlamentares. Montando-se, inclusive, uma grande frente de defesa, com políticos de todas as vertentes ideológicas, do PT ao PSDB, chegando a abrigar até mesmo a turma do MR-8 (post anterior), com Renan à retaguarda. Todos motivados pelo temor de ter no peemedebista um novo Roberto Jefferson. Por conta disso, a tal "frente" está de todas as formas tentando transformar o Senador em vítima, como fez o Hora do Povo em seus últimos números.

Apesar de todos os esforços empreendidos até o momento, a situação de Renan me parece insustentável, entretanto situação insutentável não é suficiente para derrubar um político de seu cargo, ao menos não no Brasil, no Japão a história seria outra...por falar em Japão que tal se todos os políticos brasileiros se espelhasse nos japoneses? Será que sobraria um para contar história*?

*Eu juro que tentei fugir do lugar comum de fazer esta sugestão, mas não resisti, a vontade foi muito forte!

4 comentários:

rosa disse...

Omar eu não entendo nada sobre leis, mas pelo que já ouvi por ai pensão alimentícia é um crime sem direito a fiança, a liberdade só acontece se a mesma for paga (me corrija se estiver errada), em compensação você já viu algum político preso por desvio de verba, dinheiro na cueca, mensalão, dinheiro em paraíso fiscal?

Cássio Augusto disse...

Cara... sobre o Ranan Calheios é simples a pergunta a se fazer para formarmos nossa opinião: Se ele tinha grana suficiente pra pagar a pensão, então pq ñ o fazia por depósito em conta da jornalista... aliás... como tod mundo faz... e sim entregava em dinheiro vivo... dentro de um envelope... pelas mãos de um lobista>>> estranho né!!!

Julio Neves disse...

Então,... também sou Furacão...

Dorian disse...

Esse jornal Hora do Povo é ridículo. Se alguém pisar em uma formiga do sítio do primo de Lula, o jornal vai dizer que é um ataque ao presidente. Como Renan é "aliado" (leia-se trocou seu apoio por cargos no governo) o jornal o está defendendo. É a mesma falta de lógica do sindicato dos servidores da USP que defende o Hezbollah (um grupo terrorista). Por quê? Porque o Hezbollah é contra Israel que tem o apoio dos EUA. Simplório e raso!!!