sábado, julho 29, 2006

Suzane Richthofen e o pensamento social

Quotidiano

Gislaine, é filha de um bem sucedido empresário paulista, mora em Alphavile, região que abriga a elite paulistana, sempre viveu uma vida sem conflitos familiares, e seus pais sempre a trataram da melhor forma possível, hoje é médica, está casada, com dois filhos;
Eduardo, nasceu numa família que é proprietária de uma rede de concessinárias de veículos novos, morou no Batel, bairro nobre curitiba, quando contava com seus 16, 17 anos, juntava-se com alguns amigos para disputar um racha na avenida Batel, atualmente encontra-se com 29 anos, está casado, e é juiz federal em Londrina;
Suzane Richthofen, filha de um alto funcionário público do Estado de São Paulo, e de uma psiquiatra, a família conta com um patrimônio avaliado em 2 milhões de reais, há alguns anos atrás, matou seus pais, hoje está condenada a mais de 30 anos de prisão... opa, calma lá!!! Alguma coisa está errada! Este é o sentimento da maioria da população brasileira que acampanhou o caso.
"Crimes como o de Suzane Richthofen não conseguem ser explicados"
Afirma o professor Luciano Elia, do Instituto de Psicologia da UERJ. Por isso, esse crime chocou a opinião pública. Saliente-se que o senso comum, ao longo da existência humana, estabeleceu a premissa de que a falta de oportunidade leva o ser humano à revolta, por isso quem levasse uma vida cheia delas, nunca cometeria qualquer espécie de crime.
Vivemos hoje numa sociedade em pânico, a todo momento ouve-se falar em casos de homicídio, estupro, latrocínio ( que é o famoso "matô prá robá"), entre outros crimes, um mais revoltante que o outro. Então por que este crime aflorou tanto os ânimos sociais?
"Assassina!" Esbraveja Sonia Abrão, em seu programa vespertino.
"Ela tem que morrer" Grita uma anônimo no momento em que a ré chegava ao Tribunal do Júri.
"Fedelha assassina", são as palavras do promotor do caso, Roberto Tardeli, num dos dias do julgamento.
Esses são apenas alguns exemplos, acessando alguns blogs, encontramos mais alguns casos sobre esse ódio gerado contra Suzane von Richthofen.
Nessa tarefa de tentar responder à pergunta inicial, em primeiro plano, vale destacar que esse ódio, tem um forte componente religioso, pois a bíblia ao listar os "10 mandamentos" coloca em 5º lugar o respeito absoluto aos pais. Suzane, violou este dever divinamente imposto, isto por si só permite a reprovação do ato, autorizando a aplicação de severa sanção à autora. No entanto, isso não é tudo - a moça em momento algum (desconsiderando a entrevista concedida ao "Fantástico") demonstrou arrependimento, pelo contrário, hoje todos sabem que após executar o plano, Suzane e o namorado Daniel Cravinhos, mantiveram uma rotina normal, dirigindo-se inclusive a um motel, pedindo a suíte presidencial, e enquanto estavam na delegacia antes de serem descobertos, trocavam carícias dignas dos melhores filmes pornôs. Então agora surge outro ingrediente que não pode ser desconsiderado: o dinheiro. Ela estava brigando na Justiça para receber seu quinhão na herança dos pais, ou seja, restou evidenciado, que sua intenção seria tirar os pais do caminho, uma vez que estes se opunham ao namoro dela com Daniel, receber a parte dela no "bolo", e viver essa paixão, rica e sem qualquer tipo oposição paterna. Imagine se ela alcança esses objetivos? Este é o maior medo que pessoas comuns sentem. Todavia a classe mais abastada, que controla os meios de comunicação, diga-se de passagem, não quer fazer parte do próximo "caso Richthofen" e espera que a punição de Suzane sirva de exemplo negativo para seus filhos. Assim como o lobo-mau, na história da Chapéuzinho Vermelho, e o diabo na cultura cristã, representam todo o mal que possa existir, Suzane é alguém que quebrou todas as regras mais caras no convívio social, levando as pessoas a acreditar que a moça deva levar junto com ela - se fosse possível - para o túmulo, mas como não é, para trás das grades tudo aquilo que elas mais repugnam em si próprias.





7 comentários:

Bru disse...

Ah, mas a guria lá é tranqueira mesmo heim! hehe

Lena Casas Novas disse...

Ah, caro Omar.Será que ainda não percebeu que estamos no Brasil?Aqui a justiça não é cega, aquela estatua lá em Brasília com uma venda nos olhos é para Inglês vê.Quantos mensaleiros foram presos? Se um jornalista mata a mulher, ele está certissímo! a mulher era dele ele faz o que ele quer. E se colocarmos na ponta do lápis todas as impunidades que sabemos... o Brasil caminha para destruição.

Luly disse...

É um bom exemplo do 'não julgue pela aparência', a garota tem ótima aparência, no entanto caráter passou longe.
Pior seria se a colcassem no mesmo presídio do maíaco do parque e eles resolvessem perpetuar a espécie! (piadinha infame...heheh)

Luly.

Caco disse...

Temos que ter fé que a Justiça será feita. Mais cedo ou mais tarde.

Cristiano Contreiras disse...

Omar, juro a você que ainda conseguirei compreender o porquê do mundo ser assim - os reais motivos, se há, de tamanhas atrocidades do cotidiano...

Suzane é mais uma nesse emaranhado de horrores da vida, do dia-dia, do mundo que perdura em inúmeras loucuras cometidas.

abraço

The human who sold the world disse...

Claro q pode me linkar!!!
:-)

mario disse...

Olá
Então, pena que a condenação dela seja uma palhaçada, em 2 anos ela entra em regime semiaberto se tiver bom comportamento, os assasinos daquela menina diana, o de menor e que foi mandante do crime deve sair o ano que vem da febem!!!
Que país é esse????
Continue me visitando

T+