quarta-feira, abril 30, 2008

Quero ser comentarista esportivo


Algum tempo atrás, aqui mesmo neste blog, eu disse que queria ser autor de novela, mudei de idéia! Ah, já que até um BBB* resolveu seguir por este caminho, decidi que não quero mais essa vida. Agora pretendo ser comentarista esportivo. Além de ter menos responsabilidade, ainda não tem o risco do pessoal do Pânico ficar querendo que eu calce as "Sandálias da Humildade".



Ser comentarista esportivo é bem fácil. Você não precisa saber nada do assunto, diga algumas obviedades outras loucuras, não tem problema. Saber não é preciso, basta que os outros pensem que você sabe. Para isso, faça aqueles comentários genéricos, como no caso dos que trabalham com o futebol, critique o esquema tático, fale que este ou aquele jogador está mal posicionado. A uma certa altura diga que o técnico tem de tirar fulano e colocar sicrano, se isso acontecer é a glória e o comentarista sabe do que está falando - não importa se até dois minutos atrás, a equipe de transmissão inteira estava metendo o pau no técnico. Se este fizer outra alteração, tudo bem, é só continuar metendo o pau nele. Sem falar, que o sujeito fica ali, sentadão, sendo pago pra assistir aos eventos, comendo uns salgadinhos, tomando umas biritas, enquanto o narrador fica lá se esgoelando. E tem mais, o narrador se expõe à medida que tem de falar durante o tempo inteiro, correndo o risco de falar muita besteira, já o comentarista em razão de só falar quando é chamado, fica resguardado. Vez ou outra ele fala alguma coisinha aqui outra ali, só prá justificar o salário, como por exemplo: "O técnico tá errado! Tem de tirar o quarto zagueiro, e colocar um centro-avante, prá dar mais força ofensiva ao time." Ou, "O árbitro tá vendo outro jogo, só pode, se aquilo não foi penalty, eu não sei mais o que é!" Ou, como disse o Neto (meu provável guia na profissão) durante uma transmissão do campeonato italiano, comentando sobre a possível contratação de Jorginho (aquele lateral-direito na Copa de 1994) pelo Flamengo para ocupar o posto de técnico do time: "Ah, o Flamengo não pode fazer experiência, se eu fosse presidente do clube, contrataria do Muricy Ramalho ou o Wanderley Luxemburgo!" Viu só? Simples. Até a minha filha recém-nascida poderia ter feito esse comentário, se soubesse falar. Assim, você pode notar que a responsabilidade do comentarista é zero, pois nada do que ele fala ou escreve será posto à prova.



Como você viu, ser considerado um bom comentarista de futebol é mole, mas o importante é você não acreditar no que seus colegas falam. Esse cuidado não pode ser esquecido nunca. Comentarista é comentarista, não técnico. Se algum dia, o comentarista começa a acreditar que é excelente, como seus companheiros de transmissão repetem, insistentemente, vai querer pôr em prática as besteiras que ele dizia lá de cima na cabine, e daí vai acontecer o que aconteceu com o Mário Sérgio, ex-comentarista da Band que um dia acreditou nas mentiras contadas pelos narradores e repórteres, e inventou de treinar alguns times, afundou! Hoje, nem sei onde ele está, mas creio que não é nem comentarista e muito menos técnico e se estiver no comando técnico de algum time, deve ser o do condomínio onde mora.



Por tudo isso, quero ser comentarista esportivo. Será que agora eu consigo trocar de profissão?











*Será que o Marcelo do BBB é o mesmo Marcelo que andou comentando naquele post??

11 comentários:

Cássio Augusto disse...

Rapaiz... essa do Neto sobre o Flamengo foi f*... aliás... o Neto é f*... ele só fala do Corinthians...

Ah... ñ esqueçamos do Falcão que foi treinar a seleção... Washington ñ sei o que que foi treinar o "time dos pesadelos" do Flamengo e etc... rsrs

Fábio C. Martins disse...

Olha, até eu, que odeio futebol, me empolguei com essa profissão! Será que largar o Direito e virar comentarista vai rolar um bom salário?

Abraços

Anônimo disse...

Amigo, você está coberto de razão. Num tem algo mais fácil do que ser comentarista de futebol... Sinceramente, é terrível ter que ouvir vez ou outra um comentarista entrar com as célebres visões deles quanto à partida (tudo óbvio). Achei mais bacana ainda você ter evidenciado o Neto, se tem comentarista mais "óbvio" do que aquele ali, e ao mesmo tempo anta, ta pra surgir no meio. Um abraço... Sou freqüentador assíduo do seu blog, muito bacana

Comentarista Esportivo disse...

A Globo não sabe mais o que fazer com o Sr. Mauro naves, o repórter de campo já passou do tempo de correr pelo campo a traz de garotos o problema é bota para fazer o que, no jogo internacional e estudantes, o prezado simplesmente no meio da aflição começou a falar de saldo de gols de não sei quem, logo o seu Galão Bueno deu uma daquelas cortadas essa providencial.

Anônimo disse...

também quero ser comentarista, que profissão mais fácil!!!!!!!!!!

Lucas Michels disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucas Michels disse...

Post infeliz, irreal e sem a menor graça.

Garanto que a absoluta maioria das pessoas que leu ou comentou esse texto fica sem saber que pose fazer até quando alguém aponta uma câmera fotográfica pra tirar uma foto pro álbum de família. Imagino o que fariam à frente de uma câmera de televisão, com uma equipe inteira observando, alguns torcendo pra que você cometa algum erro pra mais tarde ir pro boteco com algum assunto pra comentar.

Sim, ser comentarista esportivo exige muito talento, dedicação e confiança para falar daquilo que estudou e/ou vivenciou para milhares de pessoas, mesmo sabendo que alguns que sequer sabem o que o esporte significa para seus torcedores irão criticá-lo exclusivamente por egoísmo, as vezes inveja e outras por não entenderem bulhufas do que está sendo dito.

Futebol, volley, basquete, enfim. Todos os esportes são simples, comentar sobre estes também tem que ser. As mais geniais idéias são as mais simples, e assim será sempre, não importa quanto tempo passe.

Portanto, se quiser contar uma piada de comentaristas, ótimo. Não tenho nada a ver com isso e se for engraçado vou rir junto, mas disseminar a mais pura baboseira na tentativa de desmoralizar a profissão utilizando tons de verdade é inadmissível e uma grande falta de respeito para com o próximo. Se eu dissesse que os blogueiros são desocupados que fingem que trabalham escrevendo sobre a atividade de outros que tem empregos de verdade, vocês não gostariam, certo? Certo, até porque isso TAMBÉM é uma grande mentira. Todos têm uma função na sociedade, o grande desafio é realizar coisas atraentes sem invadir o espaço de outrem.

Desta vez, esse limite foi ultrapassado. É claro, não foi quebrada nenhuma lei, você que estuda direito sabe disso melhor do que eu pra dizer, mas nenhuma escola ou faculdade ensina a matéria do bom senso. Isso é inato aos humanos, mas as vezes falha.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o colega que defendeu os profissionais comentaristas.Essa piada sobre comentaristas, foi de um tremendo mal gosto. Lamentável.

Anônimo disse...

Ultimamente, esta dificil de assistir futebol na Band, pois os comentaristas, ficam conversando coisas que não tem nada a ver com o jogo, ficam comentando onde tal jogador nasceu, se é casado, se tem filhos etc.E a bola rolando, as vezes, sai até gol e os caras não param de falar da vida particular dos jogadores. É um saco!

fernando melo disse...

O que eu mais detesto e comentaristas sao a falta de sinseridade nos comentarios e falta de conhecimento futebolistico,por q nao sabem nem chutar una bola

fernando melo disse...

Comentar futebol tem que pelo menos saber quantos lados tem a bola,coisa que quase ninguem
Sabe