domingo, abril 27, 2008

"Todo ser-humano é um homicída em potencial!"

Durante esta semana, enquanto esperava pela realização de uma audiência judicial, encontrei um ex-colega de faculdade, enquanto esperávamos, entramos no assunto do momento - que eu nem vou dizer qual é, mas você já deve imaginar - durante a conversa, para tentar explicar o suposto ato do casal, já que na concepção dele, não há dúvida de quem sejam os autores, ele citou uma frase que um professor proferiu durante uma aula de Criminologia ainda nos áureos tempos de PUCPR, e que eu não me lembrava mais (ora, a aula era sábado de manhã, você queria o quê?):

"Todo ser-humano é um homicída em potencial!"

Quanto a esta afirmação, se por um lado é óbvia, por outro é preciso esclarecer alguns pontos. Óbvia, porque se crimes só podem ser praticados por seres-humanos, então é lógico que concluir que um homicídio deverá ser praticado por um ser-humano. Pelo outro lado, é preciso destacar que a frase é generalizante demais. Não penso que qualquer pessoa seria capaz de matar outra - deixando de lado, obviamente, os casos de legítima defesa.

Porém, de fato, muitos de nós temos um instinto assassino só esperando a oportunidade certa para aflorar. Exemplos temos aos montes, como naquele caso aqui de Curitiba, onde um sujeito tentou assaltar um taxista, acabando por ser morto pelos demais taxistas ou no caso do momento, onde muita gente clama por Justiça, dando a entender que por Justiça deve-se entender como o linchamento de Alexandre Nardoni e de Anna Carolina Jatobá. Muitos de nós só esperamos um motivo para mostra a verdadeira face.

4 comentários:

rosa disse...

Este potencia esta ficando cada vez mais evidente, eu sinceramente começo a temer até a mim mesma. E o linchamento seje somente uma desculpa para se por para fora este potencial, sem culpa, sem condenação. Talvez só Freud explique isso e olhe lá.

Abraços

Arthurius Maximus disse...

Isso é uma pura verdade. Foi feita uma pesquisa, já há algum tempo, na Inglaterra (ou nos EUA, não lembro). Onde estudantes aplicavam choques em quem respondia um questionário errado. O choque era de mentira, mas eles não sabiam. Com o passar do tempo, eles aplicavam choques cada vez mais violentos e demorados, tornando-se verdadeiros carniceiros.
É o velho ditado: "A ocasião faz o ladrão".

Um abraço.

Caco disse...

É apenas as regras da sociedade que segura a chacina irracional. Se não houver leis, penalidades e fiscalização, toda a violência aflora e vamos todos para a Lei da Selva.

Outro ponto, quanto mais supostamente pacífica é uma sociedade mais ela abafa sua violência intrínseca. Veja o caso Josef Fritzl.

Lewis Carry disse...

Em resposta a Caco.

Essa frase é referida ao potencial que nos tornarmos homicidas.

O termo assassino é referente a alguém que mata um outro ser da mesma espécie (um ser que mata).

Um homicida seria alguém que além de matar por defesa, também mata para sentir-se melhor que outrora.

A Lei da Selva a qual você se refere é de uma sociedade irracional onde a matança não se interliga a nossa noção de moral. Logo não seriamos homicidas, pois aqueles que matariam, não teriam noção dos próprios atos.

Por fim, não comentarei sobre as suas referências.