quarta-feira, maio 16, 2007

Direita e esquerda mortas

Durante sua visita ao Brasil, o papa Bento XVI proferiu diversos discursos, a maioria me faria dormir se eu fosse obrigado a ouví-los do começo ao fim, mas num deles, foi dito algo que me chamou a atenção. O Sumo Pontífice afirmou que tanto o capitalismo quanto o marxismo* prometeram reduzir ou até mesmo acabar com as desigualdades sociais, mas nenhum cumpriu o prometido. Concordo com ele! E vou mais longe.


Essa controvérsia entre direita e esquerda, capitalismo e socialismo está totalmente ultrapassada. Qualquer modelo econômico ou político adotado por este ou aquele país, não deve ser visto como um fim em si mesmo, e sim como mero instrumento para melhorar a condição do respectivo povo. E um instrumento que não serve ao fim que se propõe, deve ser imediatamente, trocado. Diante disso a conclusão que se chega é que atualmente, em pleno século XXI, não faz mais sentido se dizer de direita ou de esquerda. Ambas estão derrotadas. Ambas não atingiram seu objetivo. Por mais que seus defensores digam o contrário, a verdade é que as duas correntes ideológicas fracassaram quanto a persecução de seus fins. Por isso eu concordo com o Papa.

Dos países que tentaram - veja bem, tentaram, porque até agora ninguém conseguiu - implantar o sistema idealizado por Karl Marx, nenhum obteve êxito em acabar com a pobreza; e o sistema que tem em Adam Smith seu maior nome então! Seria enfadonho dizer o quanto é imprestável para reduzir as desigualdades verificadas nas sociedades que o adotam.

O melhor seria mudar tudo, porém a manutenção do capitalismo nos países que o adotam, sempre serve ao interesse de uma pequena classe dominante que não quer perder seus privilégios, o mesmo valendo para as sociedades nas quais houve a tentativa de aplicar na prática o sistema marxista; e a implantação do socialismo, causa calafrios em grande parte das populações mundo a fora em razão dos desvios verificados nas revoluções já empreendidas sob a bandeira marxista. Então como nenhum dos sistemas criados até hoje mostraram-se, suficientemente, eficientes, só nos resta esperar que alguma mente brilhante surja com um novo modelo político/econômico capaz de diminuir as desigualdades sem que haja o risco do Estado se constituir num tirano .


* Quando usa o termo "marxismo", certamente o papa se refere ao sistema implantado em países como a URSS, Coréia do Norte, China, entre outros, porém, estes nem de longe podem ser considerados modelos de marxismo, tal qual o idealizado pelo imortal Karl Marx. Neste post, sempre que uso a mesma expressão quero me referir a estes sistemas.

6 comentários:

rosa disse...

O imperfeito em todos esses modelos socio/economico não é a sua teoria, e sim quem os coloca em prática : o homem por si só é falho, se juntar com o poder e o dinheiro, não sai nada,e nós voltamos a sonhar com um mundo menos desigual e humanitário. Vamos torcer para surgire, novos genios. Mas até la, nada mais sai do papel. (Paciencia ou criticas ainda temos esses recursos rsrs)

Cássio Augusto disse...

Assim... tbém concordo que os dois foram derrotados... de certa forma... mas o que ñ admito é o seu fim... tdo bem que ñ existe mais como antigamente... mas os princípios estão aí... as idéias bases de cada lado ainda sobrevivem!!!

Dorian disse...

Omar,
Há uma diferença básica entre os dois sistemas. Capitalismo foi um termo criado para designar algo já existente e que se desenvolveu naturalmente através da relação comercial entre pessoas e países. O socialismo ao contrário foi algo, digamos assim, artificial. Surgiu para contestar o capitalismo e suas falhas. Ou seja, aquilo que é chamado de capitalismo, que se baseia no livre-comércio, respeito a liberdade e a individualidade sempre existiu, e está em constante aperfeiçoamento. O socialismo tem (ou teve) um papel importante nesse processo ao forçar uma reavaliação no sistema capitalista que tornassem necessárias a existência de políticas sociais de amparo e compensação como forma de conter revoltas que a exclusão causada pela política econômica produz.

catatau disse...

dado o comentário acima, tanto capitalismo quanto socialismo são idéias 'artificiais': os dois são resultados de duas revoluções. Como você disse muito bem, Omar, nenhum dos dois deu certo: o princípio de Laissez-faire resultou inevitavelmente em toda deturpação possível, a começar por conglomerados e cartéis; e o marxismo resultou em uma espécie de 'estatismo' ditatorial.

Mas o papa chegou a elogiar o marxismo um pouco antes de vir ao Brasil. Foi no seu livro, e a declaração pode ser encontrada aqui

Marcio Pimenta disse...

Você foi feliz em dizer que tanto a esquerda como o direita foram para o buraco. Há um novo mundo em rotação e oque mais me impressiona é a incapacidade que nós temos de entender este novo mundo. Quando isto acontecer, a direita e a esquerda voltarão, recicladas, como deve ser.

Abraços!

Marco Vicente disse...

na Caros Amigos de abril há essa discussão sobre direita e esquerda, sobre o que é a esquerda hoje. quando li a opiniao de Luís Fernando Veríssimo, nem precisei ler as demais, pois ele definiu com perfeição. o que disse foi mais ou menos assim: a esquerda hoje é tudo que nao for direita.