sábado, março 08, 2008

O ataque colombiano ao Equador não deve ser tolerado

No momento em que escrevo este post, todos já devem estar sabendo que os ponteiros de Rafael Corrêa e Álvaro Uribe já foram acertados...ao menos aparentemente. Porém, não posso deixar de comentar o incidente mais perigoso a paz no continente sulamericano das últimas décadas.

Inegavelmente, o território equatoriano foi violado pelas tropas colombianas, o que é inaceitável. O ato foi uma declaração de guerra sim! O Equador, não poderia baixar a cabeça, assim como a Venezuela, o Peru e até mesmo o Brasil não poderiam aceitar passivamente o ataque norte-americ...digo, colombiano. Esses países não poderiam aceitar, pois, como não é segredo para ninguém, as FARC transitam livremente por suas fronteiras misturand0-se à população fronteiriça, ou seja, ontem o atacado foi o frágil Equador, mas ninguém está a salvo de um futuro ataque perpetrado pelas, muito bem equipadas, Forças Armadas da Colômbia. Isso ficou ainda mais claro, depois que Uribe, mesmo com os ânimos serenados, afirmou que não descarta a hipótese de nova violação da soberania de seus vizinhos.

Dos países-alvo em potencial, Alan Garcia, presidente do Peru, ficou no muro, Chávez como seria de se esperar, meteu os pés pelas mãos e mais atrapalhou que ajudou na resolução do conflito, assim, me parece que quem melhor se saiu foi o Brasil que, sem a pirotecnia chavista, se posicionou de forma clara e insofismável, contra a violação do território equatoriano. Com isso, não me restam dúvidas de que o governo Lula, tão criticado por todos os lados, até por mim mesmo neste blog, merece ser efusivamente aplaudido, por sua atuação séria e pacificadora no conflito. Enquanto isso, a postura dos EUA, aprovando o ataque, e da OEA que reconhece a violação de território, sem condenar o país de Uribe, foram os pontos negativos.

Apesar disso tudo que eu falei, é preciso ficar claro que esta guerra na qual a Colômbia está mergulhada, não existe alguém e sã consciência, capaz de condenar um ataque às FARC, desde que em território colombiano. O direito de derrotar um inimigo é limitado pelos direitos de outros envolvidos. Se a Colômbia tem o direito de combater quem pega em armas e se coloca à margem da lei para destruir a ordem vigente, o Equador tem direito a ver sua soberania respeitada no plano internacional. Por isso, o ato colombiano por mais que se diga que tinha como objetivo eliminar membros da guerrilha, deve ser encarado com um verdadeiro ataque de um país contra o outro. Se o inimigo são os membros das FARC, seria o caso de Uribe, aproveitar os colossais recursos despejados pelos EUA, para reforçar a vigilância na área de fronteira, agindo quando os guerrilheiros adentrassem, ao menos em tentativa, território colombiano. Enquanto isso não ocorre, deveria pedir apoio de Quito no combate. Por falar nisso, para justificar o ato, Uribe alegou que o governo de Rafael Corrêa, estaria fazendo corpo mole contra a guerrilha. Patético! Será que se houvesse um pedido formal, Corrêa não agiria? Nunca vamos saber, pois Uribe não quis saber.

Depois disso, é preciso estar atento para todas as movimentações das tropas colombianas, pois a qualquer momento, eles podem atacar o Brasil sob o pretexto de eliminar o número 1 ou 3,4,5,6,7... das FARC.

5 comentários:

Arthurius Maximus disse...

Cara, sabe que jamais tive medo de uma guerra? Populistas como Chávez e Correa e presidentes fracos como Uribe ladram mais do que mordem. Uma guerra seria o caos para todos os envolvidos. O que houve foi muito holofote para pouco talento. Chávez, é claro, queria apenas "se dar bem". Mas acabou com os burros n'água e foi mais uma vez ridicularizado internacionalmente.

De todos, ele é o mais perigoso. Pois é bem capaz de armar um "inimigo" para causar uma guerra e desviar a atenção do povo da calamitosa situação de abastecimento de alimentos que passa a Venezuela.

Dorian disse...

Omar,

Coloquemos a situação dessa forma:

No quintal de minha casa tem um bandido que planeja sequestrar os filhos do meu vizinho. Meu vizinho fica sabendo e vai até meu quintal, mata o bandido e leva o corpo para sua casa.
Eu deveria considerar isso uma invasão? Deveria ficar contra meu vizinho ou me solidarizar com ele e aplaudir sua iniciativa (pois bandidos podem sequestrar qualquer um e eu acabaria sendo uma provável vítima também).

A não ser...

A não ser que eu estivesse em conluio com o bandido ou que ele fosse meu amigo, assim dessa forma eu poderia reclamar de meu vizinho e acusá-lo de "invasão" ou "violação".

A Colômbia extrapolou. Mas agiu em defesa própria. Se o Equador abriga, com consentimento, terroristas que atentam contra o governo colombiano, então não tem direito a reclamar quando for retaliado.

Cássio Augusto disse...

Caro Omar... finalmente vejo uma análise séria e equilibrada do fato... a Colômbia ñ pode rasgar todos os princípios do Direito Internacional... pelo visto... estão aprendendo bem com seus aliados do Norte!!!

rosa disse...

Eu particularmente acho que o Chavez troca armas por reféns para fazer média dos dois lados. Agora um estardalhaço deste por causa de um guerrilheiro?
O presidente do Equador deve ter algum esquema com as Farc. dias atrás vi um documentario sobre a comunidade da paz na Colombia uma comunidade neutra, triste a situação, o poder na Colombia se divide em Militares, Para-militares (poder paralelo pago) e Farc, independente da sua posição politica o cidadão sempre sera atacado por dois lados.
O Uribe deveria ter usado os para-militares e ficar com as mãos limpas e evitar toda esta situação.

Abraços

rosa disse...

Eu particularmente acho que o Chavez troca armas por reféns para fazer média dos dois lados. Agora um estardalhaço deste por causa de um guerrilheiro?
O presidente do Equador deve ter algum esquema com as Farc. dias atrás vi um documentario sobre a comunidade da paz na Colombia uma comunidade neutra, triste a situação, o poder na Colombia se divide em Militares, Para-militares (poder paralelo pago) e Farc, independente da sua posição politica o cidadão sempre sera atacado por dois lados.
O Uribe deveria ter usado os para-militares e ficar com as mãos limpas e evitar toda esta situação.

Abraços