segunda-feira, janeiro 15, 2007

Produção de embriões para a obtenção de celulas-tronco deve ser permitida?

Antes de me posicionar sobre o tema, faz-se necessário prestar certos esclarecimentos prévios sobre a questão. Em primeiro plano, quero dizer que as chamadas células-tronco embrionárias humanas, são tidas atualmente como a maior esperança da medicina para o tratamento do câncer, males de Parkinson e Alzheimer, doenças degenerativas e cardíacas, chegando até a cogitarem a possibilidade de pessoas que sofreram lesões na coluna possam voltar a se locomover sem o auxílio de cadeiras de rodas ou de familiares. Isso graças a capacidade destas células assumirem a função de qualquer órgão ou tecido do corpo humano.

Basicamente, há dois tipos de células-tronco: as extraídas de tecidos maduros de adultos e crianças. Neste último caso, podendo ser retiradas de seus cordões umbilicais. Entretanto estas células-tronco são mais especializadas, por este motivo somente podem originar alguns tecidos do corpo. Enquanto que as células-tronco embrionárias apresentam-se mais eficazes, pois podem se transformar em qualquer tecido humano.
Porém, quando as células são retiradas de embriões, estes, via de regra, devem ser destruídos. E é neste ponto que mora um dos grandes dilemas éticos a ser superado pela comunidade científica mundial.
Mas para tornar o assunto ainda mais complexo, alguns cientistas vêm sustentando que o implante de células-tronco seria mais proveitoso quando extraídas de um embrião clonado do próprio paciente (exceto nos casos de pessoas que apresentem doenças genéticas), afastando assim o risco de rejeição. Ou seja, além de se discutir se é eticamente correto destruir embriões, impõe-se ainda a discussão sobre a eticidade da clonagem de seres humanos.
Opondo-se à idéia, surge especialmente, a igreja católica por entender que a vida humana tem início na concepção.
A igreja católica afirma seguir a Lei de Deus e não a lei dos homens, pregando a observância de valores morais imutáveis em detrimento da chamada ética relativista contemporânea, fundada em valores mutáveis. Fundamentam sua doutrina sobre os "10 mandamentos", no qual encontra-se a proibição de matar e como o embrião, na concepção religiosa, já deve ser considerado um ser humano, sua eliminação configuraria um homicídio.
Bom, este foi apenas um pequeno resumo sobre o tema, outra hora volto e digo se sou a favor ou contra a prática.

2 comentários:

Anônimo disse...

mas n demore

estamos curiosos!!!

plagiador disse...

Z... Z... Z...
ah???
a sim.
foi mal dormi.
vc acha q pra deixar seu "leitores"acordados bastava vc diminuir o tamanho do texto???

e outra coisa...
"...faz-se necessário prestar certos esclarecimentos."

agora eh cientista???
vc num era advogado???
¬¬'

e num tem vergonha num???

eu sei q eh vc q esse tal "anônimo"