domingo, outubro 21, 2007

Pedágio Tucano X Pedágio Petista

Fala a verdade: não é divertido ouvir o que um daqueles torcedores de futebol fanáticos tem a dizer de vez em quando? Para esses torcedores ser coerente é achar tudo que vem do seu time o melhor do mundo e o que vem do time rival, seja o que for, imprestável. E é isso que faz de um torcedor típico um ser hilário por natureza. Você nunca vai ver um típico torcedor do Atlético-PR dizer que o Alex (Soneca) - aquele que jogou no Palmeiras, Seleção e que hoje atua na Turquia - é um grande jogador. Por outro lado também não deverá ouvir um coxa-branca (torcedor do Coritiba, rival do Atlético-PR) elogiando o Ferreira, principal nome do atual elenco rubro-negro. Invertendo o dito popular - seria trágico se não fosse cômico. Torcedor é assim mesmo, o dia que passar a ser racional ou coerente, perde a graça.

Mas e o que dizer de quem transporta o mesmo raciocínio para o âmbito político? Lamentável para dizer o mínimo! Neste post quero chamar a atenção para isso. A forma, apaixonada, como alguns setores da sociedade, especialmente aqueles ligados ao tucanato, tem se comportado diante da iniciativa do atual governo federal de repassar à inicitiva privada a administração de alguns trechos de estradas pelo Brasil. Em vez de analisar a conveniência, a legalidade entre outros aspectos da medida, ficam naquele lenga-lenga infantil: "Rá, xeque-mate, o PT demonizou tanto as privatizações e agora privatiza. São hipócritas!".

Até o meu amigo blogueiro, Dorian, caiu nessa cilada:

"São esses desencontros entre o discurso e a prática, a distorção da realidade e as meias-verdades que fazem do governo Lula esse ser amorfo que aí está. O governo tem que ter um discurso linear. Ou é a favor ou contra as privatizações. Não dá é criticar quem faz e fazer o mesmo como se estivesse reiventando a roda."


O detalhe é que nada disso importa, não é de hoje que Lula abandonou (?) a ideologia de esquerda (??) e abraçou o neo-liberalismo, deste modo, hoje em dia não faz sentido ficar acusando Lula e sua trupe de "amorfos", como o Dorian fez, por eles terem criticado algo que estava na mesma cartilha pela qual rezam agora. É preciso analisar os atos em si, se são convenientes ou não. Se forem, aplausos, se não forem, pau!

No entanto, é preciso esclarecer que, ao contrário do que a cúpula petista vem defendendo, houve sim privatização, concessão é um ato tão privatizante quanto uma venda pura e simples, já que privatização é o gênero, do qual a concessão e venda são algumas das espécies. É preciso deixar isto bem claro, pois quando uma empresa pública, por exemplo, é privatizada, o Estado deixa de controlá-la, se limitando a fiscalizar suas atividades, enquanto que a gestão do negócio passa a ser da iniciativa privada em definitivo, e não foi este o caso das rodovias, uma vez que o governo não vendeu patrimônio público, a partir de agora a iniciativa privada terá o direito de cobrar o pedágio por 25 anos, nos trechos licitados, em troca fica acertado que a empresa vencedora deverá investir em algumas benfeitorias.

Feito este esclarecimento, vale comparar o modelo de concessão petista com o modelo tucano: o atual governo, decidiu que não iria cobrar nada pela chamada outorga, como bem esclareceu o Dorian, ganharia a empresa que se propusesse a cobrar o menor pedágio, porém, ao contrário do que muita gente desinformada anda espalhando por aí, a empresa não adquiriu o direito de cobrar determinada quantia (bem inferior ao que se cobra atualmente, diga-se de passagem), sem qualquer contraprestação, junto com o direito de cobrar o pedágio, assumiu o dever de investir na revitalização das estradas, em certos casos, assumiu inclusive a obrigação de fazer a duplicação da rodovia, por isso se você leu ou ouviu em algum lugar que as rodovias em pouco tempo estarão em frangalhos, duvide, pois como se trata de concessão, se a empresa vencedora não cumprir as previsões contratuais o governo poderá retomar o controle das rodovias.

Já no modelo adotado pelo PSDB em São Paulo, houve a cobrança da outorga, ganhou quem ofereceu o maior valor, o que acabou elevando o preço final dos pedágios. Qual o melhor modelo? Até agora, sem dúvida alguma é o petista, mas dizer que este se revelará como o melhor em todos os sentidos, por enquanto é impossível. Só o tempo trará esta resposta. Quem quer que se arrisque dizer hoje, que um é superior ao outro, corre o risco de ser desmentido pela história.

Outro ponto que deixa os tucanos de cabelo em pé, é que mais uma vez eles estão se sentindo lesados, já foi assim com a estabilidade econômica. Nos últimos meses de FHC na presidência, o mercado internacional prevendo a vitória de Lula nas eleições, começou a se alvoroçar, temendo a quebra de contratos, deixando o país numa situação quase insustentável. Após a vitória do petista, ao perceberem que nada mudaria, o trem voltou aos trilhos e Lula começou a alardear que a economia se estabilizou graças a um gerenciamento competente da "herança maldita", o que todos sabem ser uma grande mentira, o país estabilizou em razão de Lula ter demonstrado que nada mudaria com sua chegada ao Planalto, e só. Se fosse colocado um espantalho na cadeira da presidência o resultado teria sido o mesmo.

Agora, novamente alguns setores se sentem lesados já que o PT resolveu invadir a praia tucana, mostrando ao país que existe um meio de deixar o pedágio barato. E qual foi a reação do tucanato? Bater na tecla da hipocrisia petista, tática que já deveria ter sido esquecida há muito tempo.

A conclusão que eu chego diante de tudo isso, é que a torcida organizada chamada "elite brasileira" não suporta Lula, e por isso não importa o que ele faça, deve ser criticado; mas essa má vontade não decorre do fato de ele ser de esquerda, ou melhor, por ele um dia ter aparentado ser de esquerda (já que segundo o próprio, de esquerda ele nunca foi) e sim por ele ser de direita sem nunca ter feito parte deles.

6 comentários:

Dorian disse...

Omar,
Para esclarecer. Alguém lendo seu post pode concluir que sou ligado aos "tucanos". Não faço parte e não tenho ligação nenhuma com qualquer partido político. Ao contrário, acho que o grande mal do Brasil é não haver oposição. O modelo de oposição que o PSDB e DEM adotam é cópia do modelo implantado antes pelo PT. Criticam tudo apenas por criticar. Com uma diferença que pelo menos o PT tinha uma identidade. Tinha. É bom frisar, pois quando foi para o governo adotou a mesma forma de agir do PSDB quando estava no poder: a conveniência política, demagógica e eleitoreira à frente de qualquer outre coisa!

Cássio Augusto disse...

Para ser tucano ou pefelista ñ precisa ter carteirinha... assim como para ser de direita ñ é preciso ter o busto do Mainardi tatuado no braço... bastam as idéias!!!

Qto ao post... fantástico!!! muito bem explicativo!!!

Blogueiro disse...

Resumindo governo tucano não serve e não serviu nem para privatizar, para negociar, para vender o patrimonio público são uns incompetentes mesmo.

Agora só nos resta esperar que o MPF e a Justiça Federal cobrem dos tucanos - e seus especialistas sob medida, a diferença entre o valor de venda e o valor real da CVRD. Aproximadamente U$$ 6 Bilhões de dolares.

Mary disse...

Passando para agradecer sua visita e conhecer seu blog.
Textos esclarecidos.
Parabéns! sucesso!
Abs

rosa disse...

Adorei este post, pricipalmente o último paragrafo, foi uma grande sacada mesmo. O modelo adotado como vc bem frisou se der certo, poderá ser adotado em outros setores do país, se acarretar em menor carga tributária no decorrer dos anos, 'será melhor pagar a terceiros do que ao governo, e deixe eles com o papel de ficalizar. Mas só o tempo dirá. Abraços

jeronimo disse...

OUTRO LADO DE ALKMIN
De onde veio o dinheiro?
A assessoria técnica do Tribunal Superior Eleitoral recomendou a rejeição das contas de campanha do candidato derrotado do PSDB à presidência, Geraldo Alckmin. Na conta de campanha nacional do PSDB, os técnicos identificaram irregularidades que somariam R$ 25,4 milhões, informa, discretamente, O Estado. Dentre elas, destacaram doações feitas por fontes vedadas pela legislação no total de R$ 1,3 milhão, como a Companhia Energética Meridional (CEM). Alckmin, como você se lembra, passou metade da campanha exigindo que Lula explicasse de onde veio o dinheiro para a fabricação de dossiês. Agora, é a vez dele responder.